Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Login

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Desabafos

Velório

Estava deitado, hirto, olhos fechados, mas via-os um a um. Velas cintilavam deixando no ar um cheiro a que nunca se habituara.
As anedotas chegavam-lhe aos ouvidos. Risos, abafados pelas circunstâncias. Mais além, o Gervásio caía atrás da cabeça pesada com o sono.
Ele, deitado, hirto, via-os um a um. Os amigos. Nem morto, nem morto o respeitavam.
A princípio ainda tivera 'peneiras'. Muito choro, gritos frenéticos. Histeria.
- “Tão bom rapaz. Perda irreparável...
Depois a realidade. Afinal não tinha sido tão bom rapaz assim. Perda irreparável? Nem pensar. As anedotas duraram toda a noite de vela.
Não podia tolerar tal coisa. Levantou-se e foi-se embora.
Ninguém deu pela sua falta.
No dia seguinte era o único acompanhante do seu enterro.

João Farinha