Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Parlamento recomenda urgência na criação de Unidade de Cuidados Intensivos no Oeste

Hospital Caldas da Rainha II

A Assembleia da República aprovou hoje, por unanimidade, recomendar ao Governo a urgente criação de uma Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) no CHO - Centro Hospitalar do Oeste e a renovação das instalações dos três hospitais da região.

As recomendações decorrem de dois projectos de resolução, apresentados pelo Bloco de Esquerda (BE) e pelo PCP, que resultaram num texto final conjunto apresentado pela Comissão de Saúde e aprovado hoje por unanimidade.

No texto, a Assembleia da Republica recomenda ao Governo que "dê resposta aos anseios da população do Oeste”, tomando “todas as diligências necessárias com vista à urgente criação de uma Unidade de Cuidados Intensivos” no CHO.

Recomenda ainda a renovação das instalações das unidades públicas existentes [os hospitais das Caldas da Rainha, Torres Vedras e Peniche], garantindo uma maior capacidade de resposta da região à pandemia da Covid-19, "uma maior eficiência dos recursos do Centro Hospitalar do Oeste e aumentar a qualidade e quantidade dos demais serviços essenciais prestados à população”.

A criação de uma UCI foi defendida pelo BE em Abril, num projecto de resolução em que recordava que a administração daquele organismo tinha anunciado, em Fevereiro de 2020, que estava em elaboração um projecto para a criação da unidade, estando também orçamentado um milhão de euros para essa finalidade. “O projecto justificava-se porque nenhum dos três hospitais tem UCI e desta forma passariam a poder garantir algumas cirurgias e reter doentes críticos que actualmente são transferidos para outros hospitais”, pode ler-se no projecto de resolução em que o BE defende que se “em pré-pandemia a necessidade de criar uma UCI no CHO era evidente, actualmente é uma urgência para responder aos riscos imprevisíveis da Covid-19 e a outras patologias”.

A proposta foi no mês seguinte reforçada pelo PCP, cujo projecto de resolução defendia, a par com a criação da UCI, a intervenção urgente nas três unidades do CHO, a que atribuía problemas como “instalações limitadas e equipamentos obsoletos”. As obras de remodelação do Serviço de Urgência da unidade hospitalar das Caldas da Rainha “estiveram paradas mais de um ano e só foram retomadas em Abril de 2021”, o serviço de Ginecologia, “que serve 151.366 mulheres da região, está reduzido a três camas”, exemplificou o PCP, lembrando ainda "o atraso no lançamento do concurso para a realização de obras no Hospital de Torres Vedras”.

O CHO integra os hospitais das Caldas da Rainha, Torres Vedras e Peniche, tendo uma área de influência constituída pelas populações destes concelhos e ainda dos de Óbidos, Bombarral, Cadaval e Lourinhã e de parte dos concelhos de Alcobaça e de Mafra.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Sofia de Medeiros/ALVORADA (arquivo)